Antonio de Castro Alves

(14 March 1847 – 6 July 1871 / Curralinho)

A Cruz da Estrada - Poem by Antonio de Castro Alves

Tu que passas, descobre-te!
Ali dorme o Forte que morreu.
Alexandre Herculano (trad.)

Caminheiro que passas pela estrada,
Seguindo pelo rumo do sertão,
Quando vires a cruz abandonada,
Deixa-a em paz dormir na solidão.

Que vale o ramo do alecrim cheiroso
Que lhe atiras nos braços ao passar?
Vais espantar o bando buliçoso
Das borboletas, que lá vão pausar.

í‰ de um escravo humilde sepultura,
Foi-lhe a vida o velar de insí´nia atroz.
Deixa-o dormir no leito de verdura,
Que o Senhor dentre as selvas lhe compí´s.

Não precisa de ti. O gaturamo
Geme, por ele, í tarde, no sertão.
E a juriti, do taquaral no ramo,
Povoa, soluçando, a solidão.

Dentre os braços da cruz, a parasita,
Num abraço de flores se prendeu.
Chora orvalhos a grama, que palpita;
Lhe acende o vaga-lume o facho seu.

Quando, í noite, o silêncio habita as matas,
A sepultura fala a sós com Deus.
Prende-se a voz na boca das cascatas,
E as asas de ouro aos astros lá nos céus.

Caminheiro! do escravo desgraçado
o sono agora mesmo começou!
Não lhe toques no leito de noivado,
Há pouco a liberdade o despousou.

Listen to this poem:

Comments about A Cruz da Estrada by Antonio de Castro Alves

There is no comment submitted by members..



Read this poem in other languages

This poem has not been translated into any other language yet.

I would like to translate this poem »

word flags

What do you think this poem is about?



Poem Submitted: Wednesday, June 6, 2012



[Report Error]