Antonio de Castro Alves

(14 March 1847 – 6 July 1871 / Curralinho)

A Eugênia Câmara - Poem by Antonio de Castro Alves

Ainda uma vez tu brilhas sobre o palco,
Ainda uma vez eu venho te saudar...
Também o povo vem rolando aplausos
í€s tuas plantas mil troféus lançar...


Após a noite, que passou sombria,
A estrela-d'alva pelo céu rasgou...
Errante estrela, se lutaste um dia,
Vê como o povo o teu sofrer pagou...


Lutar!... que importa, se afinal venceste?
Chorar!... que importa, se afinal sorris?
A tempestade se não rompe a estátua
Lava-lhe os pés e a triunfal cerviz.


Ouves o aplauso deste povo imenso,
Lava, que irrompe do pop'lar vulcão?
í‰ o bronze rubro, que ao fundir dos bustos
Referve ardente do porvir na mão.


O povo o povo
Maldiz as trevas, abençoa a luz
Sentiu teu gênio e rebramiu soberbo:
â€" P'ra ti altares, não do poste a cruz.


Que queres? Ouve! â€" são mil palmas férvidas,
Olha! â€" é o delí­rio, que prorrompe audaz.
Pisa! â€" são flores, que tu tens í s plantas,
Toca no fronte â€" coroada estás.


Descansa, pois, como o condor nos Andes,
Pairando altivo sobre terra e mar,
Pousa nas nuvens p'ra arrogante em breve
Distante ... longe ... mais além voar.

Listen to this poem:

Comments about A Eugênia Câmara by Antonio de Castro Alves

There is no comment submitted by members..



Read this poem in other languages

This poem has not been translated into any other language yet.

I would like to translate this poem »

word flags

What do you think this poem is about?



Poem Submitted: Wednesday, June 6, 2012

Poem Edited: Wednesday, June 6, 2012


[Report Error]