Cesário Verde

(1855-1886 / Lisbon)

Ao Diário Ilustrado - Poem by Cesário Verde

Era um deboche enorme, era um festim devasso!
No palácio real brilhava a infame orgia
E até bebiam vinho os mármores do paço.
O Champagne era a rodo, o Deus era a Folia;
Entre o rumor febril soltava gargalhadas,
Pálido e embriagado, o herói da monarquia.
Riam-se os cortesãos p'ras taças empinadas,
E referviam sempre os ponches palacianos,
Nas mesas de oiro e prata, em Roma cinzelada.
Era a repercussão dos bodos luculianos!
E os áulicos boçais e os parasitas nobres
Bebiam avidamente os vinhos de mil anos.
Desmaiavam na rua, à fonte, os Jobs, os pobres;
Em peles de leões os régios pés gozavam
E o norte nos salões gemia uns tristes dobres.
À louca, os convivas, com força, arremessavam
Garrafas de cristal a espelhos de Veneza
E à chuva, ao vento, ao frio, os povos soluçavam.
Tremia vinolenta a velha realeza,
Caíam na alcatifa os duques e os criados
E, sujos, com fragor, rolavam sob a mesa.
A púrpura nada em vinhos transbordados
Cantava um cardeal não sei que chansonette
E o espírito subia aos cérebros irados.
Era um tripúdio infrene o festival banquete!
O rei bêbedo, enfim, vazando o copo erguido,
Quis andar e caiu, de braços, no tapete.
E o sultão em regra em vinhos imergido,
Pisado pelo chão, rojou-se p'ra janela
Como um lagarto imundo, estúpido e comprido.
A brisa dessa noite, hiberna noite bela,
Deu na fornte real uma fugaz lufada,
E o rei, agoniado, à luz de cada estrela,
Curvou-se e vomitou nas pedras da calçada.
.....

Na praça, de manhã, havia, ó rei brutal!
Montões de sordidez horrível e avinhada...
-Nascera o Ilustrado- um vómito real!


Comments about Ao Diário Ilustrado by Cesário Verde

There is no comment submitted by members..



Read this poem in other languages

This poem has not been translated into any other language yet.

I would like to translate this poem »

word flags

What do you think this poem is about?



Poem Submitted: Tuesday, February 25, 2014



[Hata Bildir]