Antônio Mariano de Oliveira

(5 April 1855 - 5 January 1937 / Saquarema)

Horas Mortas - Poem by Antônio Mariano de Oliveira

Breve momento após comprido dia

De incômodos, de penas, de cansaço

Inda o corpo a sentir quebrado e lasso,

Posso a ti me entregar, doce Poesia.

Desta janela aberta, à luz tardia

Do luar em cheio a clarear no espaço,

Vejo-te vir, ouço-te o leve passo

Na transparência azul da noite fria.

Chegas. O ósculo teu me vivifica

Mas é tão tarde! Rápido flutuas

Tornando logo à etérea imensidade;


E na mesa em que escrevo apenas fica

Sobre o papel — rastro das asas tuas,

Um verso, um pensamento, uma saudade.


Comments about Horas Mortas by Antônio Mariano de Oliveira

There is no comment submitted by members..



Read this poem in other languages

This poem has not been translated into any other language yet.

I would like to translate this poem »

word flags

What do you think this poem is about?



Poem Submitted: Monday, June 4, 2012

Poem Edited: Monday, June 4, 2012


[Report Error]