Priscila Gonçalves


Miseráveis - Poem by Priscila Gonçalves

Meus amigos estão morrendo
Estão sentindo onde ninguém sente
Estão engolindo o que ninguém engoliria
Estão se arrastado o chão dos que os exploram

Meus amigos talvez
Nem saibam que são meus amigos
Porem eu sei
E é isso que, amanha há de ser reconhecido.

Meus amigos gritam
De desespero no meio da noite
Dentro de um potinho sem oxigênio
Não preciso nem dizer,
Ninguém ouviu.

Pelo contrario, de manhã os chutam
E resmungam com suas vozes endinheiradas
Encravando mais uma faca o peito da sensibilidade
Por causa do veneno da cobiça
Que provoca a escassez.

Essas cabeças impermeáveis e esses desejos cruéis
Certamente me fazem gritar junto com meus amigos
Mas continuamos sozinhos
Por causa das muralhas do ódio.

Meus amigos, sei que vocês gritam
E estou gritando também
Como já disseram
Amanha há de ser outro dia.

Não desistam da luta
Dêem as mãos e levantem-se
Pois vocês
São a voz muda que transborda de sabedoria


Comments about Miseráveis by Priscila Gonçalves

There is no comment submitted by members..



Read this poem in other languages

This poem has not been translated into any other language yet.

I would like to translate this poem »

word flags

What do you think this poem is about?



Poem Submitted: Wednesday, July 11, 2007

Poem Edited: Sunday, March 20, 2011


[Hata Bildir]