Ernesto Rodrigues


Sonho Interdito - Poem by Ernesto Rodrigues

És amor
como a inocência de um mistério
moves os lábios
os teus lábios de esperança

Entoas a volúpia
a luz do teu corpo
o fogo das palavras
cada uma das palavras
que não conseguimos dizer

O vazio da despedida
jorra o sangue da despedida
os passos que envelhecem
os teus cabelos hesitantes
as tuas sombras de outono
sonhos de fogo, mar e música

A transparência dos sentidos
as colinas do teu desejo
o grande rio da noite
o louco charme das noites...
a memória das distâncias
a curva do tempo no oceano

A loucura cumpre a promessa
som vazio, estéril e seco
rumor inalterável perplexo
a forçar a ausência dos pássaros
ou eco para lá das montanhas

Enleado no teu corpo avisto
sem destino, só e a imaginar
invento estrelas ingénuas
flores idênticas a corações
penetrantes e de luz espontânea

Cerro as pálpebras da derradeira noite
irrompo ao acaso do fundo da solidão
fito as mãos silenciosas
e bato à porta dos dias desejados


Comments about Sonho Interdito by Ernesto Rodrigues

There is no comment submitted by members..



Read this poem in other languages

This poem has not been translated into any other language yet.

I would like to translate this poem »

word flags

What do you think this poem is about?



Poem Submitted: Friday, November 9, 2012

Poem Edited: Monday, November 19, 2012


[Hata Bildir]