Antonio de Castro Alves

(14 March 1847 – 6 July 1871 / Curralinho)

A D. Joana - Poem by Antonio de Castro Alves

Senhora, eu vos dou versos, porque apanho
Das flores d'ahna um ramalhete agreste
E são versos a flora perfumada,
Que de meu seio a solidão reveste.


E vós que amais a parasita ardente,
Que abre como um suspiro em pleno maio,
E o aroma que anima o cálix rubro
â€" Talvez de uma alma perfumoso ensaio,


E esse vago tremer de ní­veas pétalas,
Que faz das flores meias borboletas,
O escarlate das malvas presumidas,
A modéstia infantil das violetas,


E essa linguagem transparente e meiga
Que a natureza fala nas campinas
Pelas vozes das brisas suspirosas,
Pela boca rosada das boninas ...


Hoje, na vossa festa, em vosso dia,
Em meio aos vossas í­ntimos amores...
Juntai aos ramalhetes estes versas,
Pois versas de afeição... também são flores!

Listen to this poem:

Comments about A D. Joana by Antonio de Castro Alves

There is no comment submitted by members..



Read this poem in other languages

This poem has not been translated into any other language yet.

I would like to translate this poem »

word flags

What do you think this poem is about?



Poem Submitted: Wednesday, June 6, 2012



[Report Error]