Coelho Neto

(21 February 1864 - 28 November 1934 / Caxias, Maranhão, Northeast Brazil)

De Novo A Vida - Poem by Coelho Neto

Depois de um sopro,
de novo a vida.

Depois da grande inércia,
novamente o fluxo.

Depois dos tempos de nada,
novamente a emoção.

Depois da grande ausência,
a enorme alegria do movimento.

Depois de um enorme vácuo,
eis que sou alguém outra vez.

De repente,
o pulsar do sangue,
novamente,
rápido,
o coração a bater,
o sangue a correr.

Vivo de novo,
eu conheci você!

Listen to this poem:

Comments about De Novo A Vida by Coelho Neto

There is no comment submitted by members..



Read this poem in other languages

This poem has not been translated into any other language yet.

I would like to translate this poem »

word flags

What do you think this poem is about?



Poem Submitted: Saturday, June 9, 2012



[Report Error]