Augosto dos Anjos

(20 April 1884 - 12 November 1914 / Pau d'Arco)

Régio - Poem by Augosto dos Anjos

Festa no paço! Noite... E no entretanto
Luzes; flores, clarões por toda a festa

E há nos régios salões, em cada aresta,

Credências d'ouro de supremo encanto.


No baldaquino a orquestra real se apresta

E o áureo dossel finge um relevo santo...

- Bissos egípcios d'alto gosto, a um canto,

Flordilisados de nelumbo e giesta.


Morreu a noite e veio o Sol Eterno

- Âmbar de sangue que desceu do Inferno

No turbilhão dos alvos raios diurnos...


Brilham no paço refulgências de elmo

E a princesa assomou corno um santelmo

Na realeza branca dos coturnos.

Listen to this poem:

Comments about Régio by Augosto dos Anjos

There is no comment submitted by members..



Read this poem in other languages

This poem has not been translated into any other language yet.

I would like to translate this poem »

word flags

What do you think this poem is about?



Poem Submitted: Tuesday, June 5, 2012



[Report Error]