Augosto dos Anjos

(20 April 1884 - 12 November 1914 / Pau d'Arco)

Súplica num Túmulo - Poem by Augosto dos Anjos

Maria, eis-me a teus pés. Eu venho arrependido,
Implorar-te o perdão do imenso crime meu!

Eis-me, pois, a teus pés, perdoa o teu vencido,

Açucena de Deus, lírio morto do Céu!


Perdão! E a minha voz estertora um gemido,

E o lábio meu pra sempre apartado do teu

Não há de beijar mais o teu lábio querido!

Ah! Quando tu morreste, o meu Sonho morreu!


Perdão, pátria da Aurora exilada do Sonho!

- Irei agora, assim, pelo mundo, para onde

Me levar o Destino abatido e tristonho...


Perdão! E este silêncio e esta tumba que cala!

Insânia, insânia, insânia, ah! ninguém me responde...

Perdão! E este sepulcro imenso que não fala!

Listen to this poem:

Comments about Súplica num Túmulo by Augosto dos Anjos

There is no comment submitted by members..



Read this poem in other languages

This poem has not been translated into any other language yet.

I would like to translate this poem »

word flags

What do you think this poem is about?



Poem Submitted: Tuesday, June 5, 2012

Poem Edited: Tuesday, June 5, 2012


[Report Error]