Augosto dos Anjos

(20 April 1884 - 12 November 1914 / Pau d'Arco)

Senectude Precoce - Poem by Augosto dos Anjos

Envelheci. A cal da sepultura
Caiu por sobre a minha mocidade...

E eu que julgava em minha idealidade

Ver inda toda a geração futura!


Eu que julgava! Pois não é verdade?!

Hoje estou velho. Olha essa neve pura!

- Foi saudade? Foi dor? - Foi tanta agrura

Que eu nem sei se foi dor ou foi saudade!


Sei que durante toda a travessia

Da minha infância trágica, vivia,

Assim como uma casa abandonada.


Vinte e quatro anos em vinte e quatro horas...

Sei que na infância nunca tive auroras,

E afora disto, eu já nem sei mais nada!

Listen to this poem:

Comments about Senectude Precoce by Augosto dos Anjos

There is no comment submitted by members..



Read this poem in other languages

This poem has not been translated into any other language yet.

I would like to translate this poem »

word flags

What do you think this poem is about?



Poem Submitted: Tuesday, June 5, 2012

Poem Edited: Tuesday, June 5, 2012


[Report Error]