Antonio de Castro Alves

(14 March 1847 – 6 July 1871 / Curralinho)

A atriz Eugênia Câmara - Poem by Antonio de Castro Alves

No dia seguinte ao de uma vaia
sofrida no Teatro Santa Isabel, no
Recife.


HOJE ESTAMOS unidos a adorar-te
Tu és a nossa glória, a nossa fé,
Gravitar para ti é levantar-se,
Cair-te í s plantas é ficar de pé!...


Ontem a infí¢mia te cobria de lama
Mas pra insultar-te se cobriu de pó! ...
Miseráveis que ferem a fraqueza
De uma pobre mulher inerme, só!


Tu és tão grande como é grande o gênio
í‰s tão brilhante como a própria luz,
Dentre os infames do calvário d'arte,
Tu foste o Cristo, foi o palco a cruz! ...


Mas estamos unidos a adorar-te!
Tu és a nossa glória, a nossa fé!
Gravitar para ti é levantar-se,
Cair-te í s plantas é ficar de pé!

Listen to this poem:

Comments about A atriz Eugênia Câmara by Antonio de Castro Alves

There is no comment submitted by members..



Read this poem in other languages

This poem has not been translated into any other language yet.

I would like to translate this poem »

word flags

What do you think this poem is about?



Poem Submitted: Wednesday, June 6, 2012

Poem Edited: Wednesday, June 6, 2012


[Hata Bildir]