Antonio de Castro Alves

(14 March 1847 – 6 July 1871 / Curralinho)

A cestinha de costura - Poem by Antonio de Castro Alves

NíƒO Quero panteons não quero mármores
Não sonho a Eternidade fria, escura...
Minha glória ideal é o quente abrigo
De uma pequena cesta de costura.


í€ sombra dos terraços florescentes
Entorna a violeta a essência pura:
Flores d'alma recendem mais fragrí¢ncia
Numa pequena cesta de costura.


Batida pelos corvos da procela,
A pomba a era tí­mida procura:
Pousa minh'alma foragida as asas
Nesta pequena cesta de costura.


Astros que amais a espuma das cascatas!...
Orvalhos que adorais do lí­rio a alvura!
Dizei se há menos lí¢nguidos arminhos
Nesta pequena cesta de costura.


Nesse ninho de fitas e de rendas...
No perfume sutil da formosura...
Vão meus versos viver de aroma e risos
Entre as flores da cesta de costura.


E quando descuidada mergulhares
Esta mão pequenina, santa e pura,
Possam eles beijar teus ní­veos dedos
Escondidos na cesta de costura.

Listen to this poem:

Comments about A cestinha de costura by Antonio de Castro Alves

There is no comment submitted by members..



Read this poem in other languages

This poem has not been translated into any other language yet.

I would like to translate this poem »

word flags

What do you think this poem is about?



Poem Submitted: Wednesday, June 6, 2012

Poem Edited: Wednesday, June 6, 2012


[Report Error]