Bernardo Almeida


Amigos Do Entorno - Poem by Bernardo Almeida

Alguns dos meus amigos venderam
Palmas ao diabo, e tocavam-lhe a face
Alternando carinho e desprezo
Vertendo lágrimas de cor anil

O sangue, invariavelmente seco
Uma vez ao ano, no inverno
Poder-se-ia purificar de novo

No entanto, o agouro frouxo
Do martírio das almas penadas e penosas
Destoava aos borbotões do plano turvo dos crentes
Carentes de atenção e vitórias, entregavam-se

E o que fazer com todo o mal...
Aqui o vemos em abundância
E não o podemos tocar?

Digam-me com toda a franqueza
Ao descruzar as pernas e retirar o dedo dos céus
Ainda é possível distinguir certo e errado?

Talvez ir-se-ão em anos, quem sabe em segundos
E os meus amigos, tão franzinos na infância
Acendem fogo do chão para mais baixo
Em reverência aos deuses de uma fé inversa e clandestina


Comments about Amigos Do Entorno by Bernardo Almeida

There is no comment submitted by members..



Read this poem in other languages

This poem has not been translated into any other language yet.

I would like to translate this poem »

word flags

What do you think this poem is about?



Poem Submitted: Thursday, May 24, 2012



[Hata Bildir]