Antonio de Castro Alves

(14 March 1847 – 6 July 1871 / Curralinho)

Fé, esperança e caridade - Poem by Antonio de Castro Alves

Eram três anjos - e uma só mulher
QUANDO A INFí‚NCIA corria alegre, í toa,
Como a primeira flor que, na lagoa,
Sobre o cristal das águas se revê,
Em minha infí¢ncia refletiu-se a tua...
Beijei-te as mãos suaves, pequeninas,
Tinhas um palpitar de asas divinas...
Eras - o Anjo da Fé! ...


Depois eu te revi... na fronte branca,
Radiava entre pérolas mais franca,
A altiva c'roa que a beleza trança!...
Sob os passos da diva triunfante,
Ardente, humilde, arremessei minh'alma,
Por ti sonhei â€" triunfador â€" a palma,
í" â€" Anjo da Esperança!... â€"


Hoje é o terceiro marco dessa história.
Calcinado aos relí¢mpagos da glória,
Descri do amor, zombei da eternidade!...
Ai, não! - celeste e peregrina Déia,
Por ti em rosas mudam-se os martí­rios!
Há no teu seio a maciez dos lí­rios...
Anjo da Caridade!...

Listen to this poem:

Comments about Fé, esperança e caridade by Antonio de Castro Alves

There is no comment submitted by members..



Read this poem in other languages

This poem has not been translated into any other language yet.

I would like to translate this poem »

word flags

What do you think this poem is about?



Poem Submitted: Wednesday, June 6, 2012



[Report Error]