José Basílio da Gama

(10 April 1740 - 31 July 1795 / São José do Rio das Mortes)

A Resignação - Poem by José Basílio da Gama

Temam embora a morte os que aferrados
Aos grossos cabedais, que possuíam,
Nunca tão de repente presumiam
Que lhes fossem das mãos arrebatados.

Sintam deixar co'a vida os começados
Muros d'altos palácios, que erigiam;
A cara esposa, os filhos, que cresciam;
Os brandos leitos; os tremós dourados.

Que eu sem bens e sem casa, vagabundo,
Mal coberto c'o manto da indigência,
Já não temo da morte o horror profundo.

No que me tira não me faz violência,
Que o melhor modo de sair do mundo
É cheio ou de miséria ou de inocência.



Comments about A Resignação by José Basílio da Gama

There is no comment submitted by members..



Read this poem in other languages

This poem has not been translated into any other language yet.

I would like to translate this poem »

word flags

What do you think this poem is about?



Poem Submitted: Wednesday, June 6, 2012

Poem Edited: Wednesday, June 6, 2012


[Report Error]