poet Priscila Gonçalves

Priscila Gonçalves

Gotas Vermelhas

Gotas vermelhas de tristeza
Olhos tão doces, amargos ficaram
No que se concentrar?
As unhas quebradas, manchadas
Revelam mistério em vão
E o olhar cansado, desgastado
Fatigado, torturado.
Tontura na parte de traz da imagem
Vertigem imortal, tremulas mãos
Frieza e calor
Não quer mais perguntas, fome ou luta
Só quer ali deitar
O chão dos pregos
Lugar para ratos! não pode ficar aqui!
E o levantar revela olhos tão inchados
Agora nem mais o alivio desistencial
Não faz parte, de nada é parte
É só um cuspe do universo
Não quer comprimidos, agulhas nem goles
O efeito é pior realmente.
O fogo ao seu lado
Vidro de acetona, sem perceber
Mas indiferentemente sem ligar
A explosão não acontece
como o fato sem ansiedade
Um doce corte ali.

Poem Submitted: Wednesday, July 11, 2007
Poem Edited: Sunday, March 20, 2011

Add this poem to MyPoemList

Rating Card

5 out of 5
0 total ratings
rate this poem

Comments about Gotas Vermelhas by Priscila Gonçalves

There is no comment submitted by members..

Maya Angelou

Caged Bird



Read this poem in other languages

This poem has not been translated into any other language yet.

I would like to translate this poem »

word flags

What do you think this poem is about?