Antonio de Castro Alves

(14 March 1847 – 6 July 1871 / Curralinho)

Improviso - Poem by Antonio de Castro Alves

Moços! A inépcia nos chamou de estúpidos!
Moços! O crime nos cobriu de sangue!
Vós os luzeiros do paí­s, erguei-vos!
Perante a infí¢mia ninguém fica exangue


Protesto santo se levanta agora,
De mim, de vós, da multidão, do povo;
Somos da classe da justiça e brio,
Não há mais classe ante esse crime novo!


Sim! mesmo em face, da nação, da pátria,
Nós nos erguemos com soberba fé!
A lei sustenta o popular direito,
Nós sustentamos o direito em pé!

Listen to this poem:

Comments about Improviso by Antonio de Castro Alves

There is no comment submitted by members..



Read this poem in other languages

This poem has not been translated into any other language yet.

I would like to translate this poem »

word flags

What do you think this poem is about?



Poem Submitted: Wednesday, June 6, 2012



[Report Error]