Alphonsus de Guimaraens

(24 July 1870 - 15 July 1921 / Mariana)

Rimance de Dona Celeste - Poem by Alphonsus de Guimaraens

Satã, onde a puseste?
Busco-a desde a manhã
Oh pálida Celeste…
Satã! Satã! Satã!

E o Cavaleiro andante
A toda, a toda a rédea,
Passa em busca da Amante
Pela noite sem luar da Idade Média.

— O vento ulula e chora…
Maldição! Maldição!
A quem amar agora,
Meu pobre coração…

E o Cavaleiro passa
Ante a sombria porta
Da lúgubre Desgraça,
Silenciosa mulher de olhar de morta.

—Viste, velha agoureira,
O Anjo do meu solar?
— Ah! com uma Feiticeira
Ela acaba de passar…

E bate o Cavaleiro
A outra porta escura:
É a casa do coveiro,
Solitária sepultura.

— Quem sabe! acaso, acaso,
O meu anjo morreu?
— Fidalgo, morre o ocaso,
Não posso enterrá-lo eu!

Louco, às trevas pergunta:
Sombras pelos caminhos
Dizem que ela é defunta…
E ele começa a interrogar os ninhos.

— Acaso, acaso a viste,
Meu suave ruscinol?
— Ouves a endecha triste?
Bem vês que não vi o sol.

E o Cavaleiro escuta
Longe o estertor de um pio…
Talvez a voz poluta
E irônica de algum mocho erradio.

— O teu Anjo finou-se
Ao beijo de Satã…
Ai! do seu lábio doce,
Mais doce que o manhã!

Tinem arneses: voa
O cavaleiro andante
A toda rédea, à-toa…
Não acharás, Fidalgo, a tua amanete!

II

— Satã, onde a puseste?
Que incubo a fanou já?
— A pálida Celeste…
Ei-la no meu Sabá.


Comments about Rimance de Dona Celeste by Alphonsus de Guimaraens

There is no comment submitted by members..



Read this poem in other languages

This poem has not been translated into any other language yet.

I would like to translate this poem »

word flags

What do you think this poem is about?



Poem Submitted: Friday, June 1, 2012

Poem Edited: Friday, June 1, 2012


[Report Error]