Tamara Robalo


Paraíso - Poem by Tamara Robalo

A brancura intocável da escuridão, mas sensível aos corpos anónimos que se tocam debaixo do néon, como algas entrelaçadas na maré da meia noite.
O tabaco.
A bílis,
O lixo humano mesclam-se e dançam ao vento na poeira soturna.
A emoção penetra e o corpo sucumbe.
Vénus,
Marte,
os sexos.
Impacto de estrelas cujo resíduo se dispersa para sempre no espaço.
A dor.
Um vazio inquietante deixado pela fome saciada e o álcool deslizando na promessa de mais.
Crianças cujos olhos reluzem,
hipnotizadas, são empurradas e levadas para longe,
perdidas para sempre num oceano de êxtase,
para nunca mais voltar.
Olhares expectantes cruzam-se na imensidão pálida do luar.
Uma surdez momentânea.
Procura-se o que sobrou de nós,
do que éramos antes, com medo,
os olhos cegam-se, nada mais vemos senão brilho.
Subimos em direção às luzes como aberrações de circo,
não somos nada,
senão a orgásmica sensação de ser algo,
desinteressados,
caminhantes sem destino,
nada existe senão o momento que perdura na eternidade e beija o infinito.

Topic(s) of this poem: eternity


Comments about Paraíso by Tamara Robalo

There is no comment submitted by members..



Read this poem in other languages

This poem has not been translated into any other language yet.

I would like to translate this poem »

word flags


Poem Submitted: Thursday, November 12, 2015

Poem Edited: Thursday, November 12, 2015


[Report Error]