Bernardo Almeida


Aos 29 - Poem by Bernardo Almeida

Declina e pára
Mas segue a todos nós
Amigos nas ruas
De intentos freqüentes
Delirantes, palpáveis
Insurgentes
Temperamentos frágeis
Negligentes, porém
Hábeis
Atrasados e taciturnos
Temos tantos de outros nós
Esperando para entrar
Em cena - tudo não passa
Sem que a porta bata
Para sempre - mesmo que não exista
Antes, acreditemos
Ora, aqui estamos
E já perdidos nos vemos
Sem eira, nem beira, nem eixo
Fora - não necessariamente excluídos
Mas, fora
Por ser a exceção menos especial
Que flui inevitavelmente
Independente
Através de...
Muito antes de qualquer coisa espelhar
Todo o mundo
Sem brilho, irritante
Estagnado e débil
Descrédito no que há
É confiar que algo novo nos espera
E surgirá
Porquanto não pudermos mais,
Em indiferença,
Nos suportar
- Brindemos!


Comments about Aos 29 by Bernardo Almeida

There is no comment submitted by members..



Read this poem in other languages

This poem has not been translated into any other language yet.

I would like to translate this poem »

word flags

What do you think this poem is about?



Poem Submitted: Thursday, May 24, 2012



[Report Error]