Bernardo Almeida


Contatos Noturnos - Poem by Bernardo Almeida

Passei as últimas três noites
Vagando em ambientes estranhos
E conversando com pessoas impossíveis
As quais sei que jamais reencontrá-las-ei
Não durmo, não como, não bebo
Apenas respiro o trago fatal da madrugada
No sono, está a vulnerabilidade de qualquer mortal
A minha mente continua desperta, em alerta constante
Enquanto a cidade ronca em um coro mal sincronizado
Seja de descanso, preguiça, convenção ou hábito
Procuro por alguém, mas só encontro a mim mesmo
Então, troco de lugar com a minha sombra e sigo-a
Sirvo de companhia para o meu eu degenerado
Deslizamos com passos soturnos por sonhos inadequados
Às vezes, ganhamos asas depenadas e olhos de águia
A noite guia àqueles de percepção apurada
Os pensamentos mais extensos e complicados
Tornam-se ínfimos e óbvios, rapidamente decodificáveis
E, rodeado pelo manto gélido da escuridão,
Decido que, o silêncio da tumba que acolhe o dia,
Será a minha eterna e estimada morada


Comments about Contatos Noturnos by Bernardo Almeida

There is no comment submitted by members..



Read this poem in other languages

This poem has not been translated into any other language yet.

I would like to translate this poem »

word flags

What do you think this poem is about?



Poem Submitted: Thursday, May 24, 2012



[Report Error]