Ashley Genocide

Rookie (León - Spain)

Diamante E Grafite - Poem by Ashley Genocide

nada é eterno além da eternidade
substantivo género feminino número singular

utópica eternidade
mas nem tu serás eterna

os diamantes nascem das profundezas do manto
nasceram, e morrrerão
se os diamantes não são eternos, nada o será
tudo se decompõe
tal como os seres se decompõem em matéria orgânica
também os diamantes se decompõem em grafite
afinal de contas os diamantes são apenas carbono
e nós somos apenas carbono, oxigénio, hidrogénio e pouco mais

tudo o que nasce, morre
tudo o que aparece, desaparece

o universo é um dado viciado
tal como viciámos as rotinas e o quotidiano
a paixão nasce e morre instantaneamente

mas o amor!
substantivo para o qual ninguém encontra uma teoria irrefutável
é o sentimento que nunca morre

(ou não morre porque nunca chegou a nascer
ou porque já nasceu connosco
ou porque pertence a outro patamar do universo
que não conseguimos alcançar com as nossas mentes sedentas
ou corações esfomeados)

Ciência responde ao mundo à pergunta mais impertinente de sempre!
mas sem provas, factos, nem uma hipótese sequer, como poderás tu responder?
Resta-nos recorrer à explicação sobrenatural
mas se ninguém o viu como poderá haver resposta?


Comments about Diamante E Grafite by Ashley Genocide

There is no comment submitted by members..



Read this poem in other languages

This poem has not been translated into any other language yet.

I would like to translate this poem »

word flags

What do you think this poem is about?



Poem Submitted: Thursday, May 6, 2010



[Report Error]