Bernardo Almeida


Múltipla (Transcendental) - Poem by Bernardo Almeida

Ascende em mim o incontrolável desejo
De profanar a tua incólume beleza
E apresentar-te as taras que me convém
Apedrejando os censores da tua libido

Busco em ti a força que divide céus, mares e terra
Que resplandece diante da avidez da carne
Sem a clausura tão comum dos corações castos
Miseráveis na vida e na morte, na abundância e na escassez

Molha, como uma cascata, aquilo que pulsa dentro de ti
E fecha os olhos, sem dormir, de todos os pudores
Faz brotar em ti uma nova alma que recolhe tristezas
E as lança fora, para longe, sem emitir ruídos de saudade

Esqueça o mundo incolor e insípido em que vivias
Posto que dorme enterrado no solo úmido do prazer
Enxugando as lágrimas que inocentemente derramavas
Por desconhecer a magia energicamente reparadora de um orgasmo


Comments about Múltipla (Transcendental) by Bernardo Almeida

There is no comment submitted by members..



Read this poem in other languages

This poem has not been translated into any other language yet.

I would like to translate this poem »

word flags

What do you think this poem is about?



Poem Submitted: Thursday, May 24, 2012

Poem Edited: Friday, May 25, 2012


[Report Error]