Bernardo Almeida


Canção Para Ninar Crocodilo - Poem by Bernardo Almeida

O meu pranto
Agulha
Foi teu manto
Ou guia

Lua fora da lei
E da linha - o fim

É fim da linha

O meu pranto
Desértico
É rua e rosna atravessado
Como uma puta
Astuta
Irmã da escuridão
Em morte pré-matura

Dura, mas sofre um bocado

O meu pranto
É vala
E estoura
A boca torta
Do silêncio mudo que cala
Covarde

Invade, invade e evade...

O meu pranto
É donativo seu

Avante, tortura!
Luva, caindo como
Uma pena
Sobre a minha surdez

Caridoso destempero
Em podre ternura

É donativo seu
Também a candura

Avante, tortura!
Pior tontura
É a loucura de amanhecer
Pendurado em seu
Guarda-sol


Comments about Canção Para Ninar Crocodilo by Bernardo Almeida

There is no comment submitted by members..



Read this poem in other languages

This poem has not been translated into any other language yet.

I would like to translate this poem »

word flags

What do you think this poem is about?



Poem Submitted: Thursday, May 24, 2012



[Report Error]